É Quando ocorre Suícidio entres profissionais de saúde Mental

”A questão do suicídio está ligada à saúde mental sim. Não é necessariamente uma patologia ou uma doença”O ser humano é marcado pela finidade, insegurança e pela vulnerabilidade da sua existência.Com isso, podemos discorrer sobre o quanto o ser humano está em sofrimento. Observa-se,nos tempos atuais, que muitos indivíduos encontram a cessação do sofrimento no ato de atentar contra a própria vida, ou seja, o autoexterminio. Muitos dos profissionais interactuam de maneira presente e significativamente maior contato com pessoas hospitalizadas, que tenham sofrimento seja ele intenso ou não. Esses também se encontram em um ambiente estressante, fazendo com que se tornem suscetíveis aos problemas de âmbito de saúde mental, onde que decorrente a essa qualidade psíquica abalada tem- se a probabilidade de idealização suícida ou suicídio consumado. O suicídio então é uma temática muito discutida por vários autores, mas que ainda se apresenta velada ao ser debatida, e no que diz respeito ao suicídio presente no meio de profissionais da saúde é visivelmente possível perceber o quanto é difícil à discussão. Desse modo, o estudo em questão trata-se de uma revisão bibliográfica, por meio do qual o leitor pode identificar o quão complexo é o tema, além de desmistificar certos preconceitos e extrair as principais características das publicações, sobre “o suicídio consumado por profissionais da saúde ou tentativas do mesmo”. Pode-se perceber através dos textos estudados, que o suicídio está aumentando dia a dia em nível mundial. Além disso, é importante perceber que o profissional da saúde deve ser compreendido para além de um ‘trabalhador’, deve ser visto como uma pessoa que também pode sofrer danos em seu bem estar e ter consequências drásticas com isso como esgotamento emocional, depressão e alterações em sua qualidade de vida. A verdade que em nossas instituições e formações não nós da suporte necessário para lidar com temas referente ao suicídio, casos clínicos de paciente que apresenta algum tipo de patologia graves ligado ao DSM-4 ou DSM-5 são casos complexos, mais difíceis de tratar, o terapeuta e si carrega uma sobre carga pelo fato de lidar com pacientes que apresentam algum tipo de patologia, outro problema que observamos que existe uma cobrança do terapeuta como tratar o paciente muitas das vezes o psicólogo, psiquiatra sabe tratar o paciente mas não sabe mediar seu estado de psique ou seu nível emocionais, ainda existe um tabu imposto culturalmente cultivado pela nossa sociedade que todo psicologo ou psiquiatra profissionais de saúde mental de modo geral são perfeitos que são pessoas que não apresentam desajuste emocionais ou psicológicos essa vertente esta totalmente equivocada, os profissionais de saúde mental também tem seu momentos de tristeza e desespero ou medo diante das suas vivências do dia a dia seja no trabalho ou em outros ambientes e na famílias, porque estamos falando tema tão pertinente porque vemos que que esse assunto bem escasso e tão pouco explorados por estudante e profissionais, para reduzir índice de nivel de suicidio entres esses profissionais de saúde a proposta de meio de intervenção e preventiva passos bem simples de acordo com autor (Claude Zembru) (1) treinamentos sobre risco e prevenção ao suicídio deveriam ser incluídos nos cursos de formação e qualificação de profissionais de saúde mental; (2) melhoraria no treinamento dos profissionais qualificados não somente no gerenciamento do comportamento suicida com clientes, mas também em métodos de intervenção com colegas que eventualmente estejam vivenciando dificuldades;(3) tornar habitual a discussão sobre os desafios envolvidos em ser um psicólogo; (4) melhorar o ensino sobre estratégias de como lidar com possíveis casos de morte de colegas por suicídio; (5) criar grupos de suporte profissional a fim de reduzir o isolamento inerente ao exercício da profissão, sugestões pessoais (Rodrigo Alv) e (Diego Teixeira) (6) Criar um processo grupal onde esses profissionais trocam informação entre de forma direita ou indreta que tenham respaldado para lidar com a morte de forma natural, (7) se esvaziar do problema paciente e se encher de resolução, maior fator negativo e que os psicologo e psiquiatras carregam a patologias então sobrecarregam delas (8) Criação gestão de tempo focado no agora (9) desenvolver na questão de paciente versus o profissional, para separar o controle de emoções, contra o controle de terapia. atráves desse métodos de intervenção e preventivo daria condições para o profissional de lidar e tratar patologias de sofrimentos alheios, e condições de gerenciar melhores ou seu estado mental e emocional pessoal.  

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s